• 2 de Novembro, 2021

Muitos portugueses sonham em construir a sua própria casa, tanto porque podem idealizar a casa dos seus sonhos, como a construção da mesma será mais barata que a compra de uma equivalente já construída.

Comprar habitação ou construir é um enorme investimento, que poderá obrigá-lo a recorrer a crédito.

No caso de construção de habitação poderá escolher localização, dimensões, disposição das divisões e própria habitação, bem como materiais utilizados na sua construção e acabamentos.

Neste artigo iremos ver as diferenças/semelhanças e vantagens/desvantagens em relação um tradicional crédito à habitação.

O que caracteriza um Crédito à construção?

Após aprovação a atribuição do crédito concedido será faseada (tranches) à medida que a construção vai andando. Ao longo deste processo serão realizadas vistorias por um perito para que a instituição de crédito possa libertar os capitais.

Estas vistorias são obrigatórias e têm um custo que acresce à comissão de avaliação.  O valor depende de banco para banco e é cobrado sempre que houver uma vistoria. Depois de uma pesquisa pelos preçários dos bancos a operar em Portugal, é possível perceber que o custo pode superar os 200 euros por cada vistoria.

O número de vistorias necessárias também depende da entidade onde contratou o crédito e do tipo de projeto de obra. De forma a reduzir os custos com as visitas, é aconselhável que faça um esforço para reduzir o número de vezes que solicita a libertação de tranches.

Vai ainda poder usufruir de um período de carência de capital cujo prazo máximo pode variar entre os 24 e os 36 meses, isto significa que durante este período, pagará só os juros, permitindo-lhe algum alívio financeiro durante este período. 

Vantagens/Desvantagens dum crédito à construção

Vantagens

Como anteriormente já mencionámos no caso de construção de habitação poderá escolher localização, dimensões, disposição das divisões e própria habitação, bem como materiais utilizados na sua construção e acabamentos.

O IMT (Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis) para construção também é menor relativo à compra de uma casa (nova ou usada), visto que vai apenas pagar o imposto sobre o terreno que é escriturado primeiro. Como se trata de uma construção e não de uma compra, não pagará o IMT da casa, somente do seu terreno, que tem um valor inferior. No entanto, saiba que se pretender vender a casa posteriormente, o seu valor de aquisição vai ser estipulado consoante o valor pelo qual foi registado aquando da conclusão da sua construção. 

Desvantagens

Todo o processo é mais burocrático e lento em comparação como um crédito tradicional à habitação.

Também em alguns casos o dinheiro que é distribuído por fases como antes referimos será só atribuído quando já houver algum avanço na obra e por isso convém ter alguma almofada económica para o caso de ter com avançar com capital próprio.

Como lhe é atribuída a carência de capital, quanto mais tempo durar a construção mais juros irá pagar.

Financiam-me na totalidade?

Para aquisição de terreno (apenas), o montante máximo financiável é o correspondente a 60% do menor dos dois valores: valor de avaliação do terreno e valor da aquisição do terreno.

Se se tratar de Aquisição de Terreno + Construção de habitação própria permanente, o montante máximo financiável é o correspondente a 50% do valor de avaliação do terreno, até 90% do valor de aquisição do terreno​ ​ +​ ​ 80% do valor de avaliação da construção, até 90% do custo de construção (conforme orçamento).

O terreno deverá ter viabilidade para construção e se já tiver um projeto aprovado pela Câmara principal ainda melhor, uma vez que o processo de aprovação de projeto poderá ser moroso e em alguns casos impossível.

Há também custos associados ao projeto e se este já estiver aprovado será menos esse que irá gastar.

Como ser elegível à atribuição de um Crédito à construção?

Tal como no crédito à habitação tradicional é necessário reunir vários requisitos:

– Ter um montante disponível para a entrada;

– Apresentação de orçamentos detalhados e licenças camarárias;

– Possuir um histórico limpo no Banco de Portugal;

– Estabilidade profissional e financeira;

– Ter uma taxa de esforço baixa;

– Possuir toda a documentação pessoal necessária.

Semelhanças com o Crédito tradicional à habitação

Necessitará em ambos os casos de contratar seguro de vida e contra todos os riscos, seguros esses que poderão ser obtidos junto da entidade de crédito ou outras empresas. Pelo que deverá comparar as diferentes condições.

E deverá também ter conta tal como no crédito tradicional:

– As despesas associadas cobradas pelo banco;

– Qual o prazo da Euribor que deve escolher;

– O cálculo da Euribor; 

– Se vai optar por taxa fixa ou variável;

– A TAEG/MTIC;

– Os produtos obrigatórios associados ao crédito habitação.