• 29 de Novembro, 2022

A inflação, que apareceu repentinamente, atingiu níveis que não eram vistos há décadas. O que devemos pensar desse retorno da depreciação monetária?

Há mais de 30 anos que a inflação, ou seja, a subida generalizada e duradoura dos preços dos bens e serviços, mantém-se baixa. Desde o verão de 2021, a inflação aumentou acentuadamente.

A taxa de inflação de 9.3% em Agosto em Portugal, medida pelo IHPC, comprara com a taxa de 1.3% em termos homólogos e com 9.4% em Julho colocando Portugal acima da média dos países da zona euro. Na zona euro, o Eurostat confirmou a estimativa de 9.1% face aos 3% de Agosto de 2021 e os 8.9% de Julho.

Os bancos centrais, focados na estabilidade monetária, há muito que consideram que o fenómeno seria apenas temporário. Estes tiveram que adaptar a sua estratégia já que a inflação parece estar a instalar-se na zona do euro e não só, pois os dados apontam para mais de 10% no Reino Unido e 8,5% nos Estados Unidos em julho de 2022. Mas qual é o motivo deste surto repentino? Devemos nos preocupar com isso? Como lutar contra essa inflação? Será este o início de um novo ciclo económico?

Qual o motivo para esta inflação assim tão alta?

O fenómeno da inflação é muito complexo. Não obedece mecanicamente à teoria quantitativa clássica segundo a qual a inflação é, antes de tudo, um fenómeno monetário (um aumento na quantidade de dinheiro em circulação implica, mais cedo ou mais tarde, um aumento da inflação). Durante uma longa fase de taxas diretoras muito baixas, os

bancos centrais contribuíram largamente para a criação monetária sem que este aumento acentuado da massa monetária tenha deslocado a inflação (excluindo títulos e imóveis).

O aumento repentino da inflação, no entanto, tem muitas razões, tanto cíclica quanto estrutural. As principais razões de curto prazo e, portanto, bastante transitórias são:

  • um fenómeno chamado efeito base”. A inflação é geralmente medida ao longo de um ano e, após dois anos de pandemia, o nível de inflação que serve de referência é particularmente baixo;
  • reabertura após a pandemia. Desde a retoma da atividade após a crise do Covid, os consumidores conseguiram acompanhar parte de sua procura diferida. Durante essa recuperação da demanda, tornou-se um pouco mais fácil para as empresas aumentarem os preços sem perder clientes. A reabertura também teve efeitos no lado da oferta: restabelecer as cadeias de abastecimento e transporte é um processo demorado e caro. A política de zero Covid da China (fechar fábricas, até cidades inteiras como foram alguns casos) torna este processo ainda mais complicado. Procura mais forte versus oferta reduzida: preços sobem;
  • a guerra na Ucrânia. Desde fevereiro de 2022, a intervenção militar russa na Ucrânia elevou os preços de muitas matérias-primas (petróleo, gás, trigo, entre outras). A queda nas exportações ucranianas está limitando a oferta nos mercados e a elevar os preços. Além disso, as sanções contra a Rússia obrigam muitos países a reorganizar seus mantimentos, um processo complexo e caro;
  • Enfraquecimento da moeda única. O declínio do euro começou em 2021 e acelerou em 2022 onde o euro atingiu a paridade com o dólar. O euro também se desvalorizou em relação a outras moedas, como o franco suíço. Esta queda do euro aumenta o preço das importações, incluindo o preço dos combustíveis fósseis em particular, reforçando assim o efeito da inflação importada. Quais são os principais fatores da inflação?
  • o efeito da “lei da procura e da oferta”. A crise pandémica afetou os modos de vida e de trabalho mudando consigo certas necessidades. As compras de determinados produtos (informática, eletrónicos, equipamentos de bricolage etc.) aumentaram durante e após a pandemia o que levou a um esgotamento dos stocks em certas empresas;
  • aumento dos preços da energia. Após o levantamento das restrições relacionadas com a Covid-19, os preços da energia aumentaram abruptamente. Os preços ao consumidor do gás, combustível e, em menor grau, da eletricidade aumentaram de forma acentuada entre dezembro de 2020 e outubro de 2021. A tendência vai continuar em 2022 de forma ascendente: a energia é, para mais de um terço, a principal componente da taxa de inflação. A escassez ou mesmo falta de combustíveis fósseis, bem como a transição ecológica continuarão a pressionar os preços da energia;

a política monetária dos bancos centrais. Para combater as várias crises desde 2008, os principais bancos centrais têm praticado uma política monetária conhecida como a flexibilização quantitativa( quantitative easing ), no entanto, as suas ferramentas tradicionais (particularmente menores taxas de juros e compulsórios) mostraram-se insuficientes. Esta política não convencional consiste em compras massivas de ativos financeiros, incluindo dívida pública, para injetar o máximo de liquidez na economia, a fim de a reanimar bem como a inflação. Por muito tempo, esta política gerou, principalmente, inflação em ativos financeiros (em grande maioria ações) e imóveis. Hoje, os colossais volumes de liquidez assim criados enfrentam uma economia cujo potencial de produção é mais limitado do que antes (efeitos da pandemia e economia mundial mais fragmentada).

O retorno da inflação preocupa?

Se os salários não estão indexados ao aumento dos preços, a inflação leva sempre a uma queda do poder de compra, que pesa sobretudo na base da escala salarial. Quanto maior for a proporção de despesas restritas no orçamento familiar, menor será a margem para contrariar o aumento dos preços.

A inflação é, portanto, um fenómeno pouco social. Este efeito negativo é limitado se a inflação se mantiver moderada e estável: um aumento regular e baixo do nível geral de preços é o principal objetivo dos principais bancos centrais. O Banco Central Europeu estabeleceu como uma boa meta, um aumento da inflação de cerca de 2% ao ano, mas ao que tudo indica, este valor poderá ser um pouco superior este ano.

A inflação limitada e regular tem algumas vantagens:

  • famílias e empresas podem facilmente antecipar aumentos de preços, o que é favorável à tomada de decisões, principalmente ao investimento;
  • as autoridades monetárias podem manter as taxas de juros bastante baixas, o que é bom para o crescimento;
  • as famílias são, em vez disso, incentivadas a investir seus excessos de liquidez, o que torna as poupanças disponíveis nos mercados financeiros para financiar novas atividades lucrativas. Por outro lado, os efeitos económicos adversos predominam se a inflação aumentar mais rapidamente. Com uma média na zona do euro a rondar os 9%, a inflação está longe de ser moderada, portanto, os efeitos negativos devem ser tidos em conta:
  • países com alta taxa de inflação perdem competitividade em comparação com os países onde os preços estão a subir mais lentamente; as suas exportações diminuem sob o risco de deterioração da balança comercial;
  • se a atividade diminuir, os países podem entrar em estagnação ou mesmo em recessão. O aumento do desemprego e a deterioração dos saldos públicos são a consequência direta;

– aumenta o nível de incerteza no país, o que reduz o potencial de crescimento: quanto maior a inflação, mais difícil é estimar a rentabilidade dos investimentos e temendo-se uma queda no seu volume.

Como combater a inflação?

Combater a inflação não é fácil. O principal instrumento é a política monetária: os bancos centrais dispõem de ferramentas para tornar o dinheiro mais caro e reduzir a liquidez em circulação. No entanto, esta política monetária age sempre com uma certa desfasagem, por isso, não pode anular os picos de inflação pontuais. Além disso, para reduzir a inflação decorrente do descompasso entre a oferta de moeda e o volume de bens e serviços, também é possível praticar uma política que favoreça a oferta. A sua desvantagem é que leva muito tempo até mostrar resultados.

Para conter, ou mesmo derrubar a inflação, os principais bancos centrais fizeram uma mudança na política monetária de modo a torná-la mais restritiva: a redução do volume de compras de ativos financeiros e aumento das taxas de juros. Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed) mexeu-se rapidamente nessa direção. A partir de maio de 2022, começou logo a aumentar as taxas, o primeiro aumento foi de 25 pontos base (um aumento de 0,25), mais tarde aumentou em 75 pontos base. As autoridades monetárias dos EUA são particularmente firmes no desejo de conter a inflação. Já o BCE reagiu mais tarde: O primeiro aumento foi registado apenas a 27 de julho de 2022.

O que se avizinha nos próximos tempos?

A inflação, como outras grandezas económicas, evolui em ciclos bastante longos. A longa fase de inflação baixa não poderia durar para sempre. A globalização já não é tão vigorosa como antes. O momento do comércio global enfraquece e uma fragmentação do comércio parece estar a ganhar forma. Este desenvolvimento pode pesar regionalmente na oferta geral: uma oferta menor perante uma procura estável pressiona os preços. O papel e os objetivos (estabilidade monetária, crescimento, etc.) das autoridades monetárias também são questionáveis.

Finalmente, um possível retorno do que os economistas chamam de “efeitos de segunda ordem”, ou seja, uma espiral de preços e salários deve voltar a ser considerado. Este efeito contribuiu amplamente para a alta inflação das décadas de 1970 e 1980.