2023 Taxas
  • 25 de Novembro, 2022

O período das taxas de juro muito baixa acabou definitivamente.

A principal taxa de juro na zona euro é agora de 2%. Os três aumentos de juros seguidos não são considerados suficientes. O Banco Central Europeu anuncia um novo aperto da política monetária através de novos aumentos para quebrar a atual onde de inflação.

O Banco Central Europeu (BCE) elevou as taxas de juro em 0,75 pontos percentuais passando para três, o número de aumentos este ano, desde Julho a taxa básica de juros passou de zero para dois por cento. O Banco Central está assim a preparar-se contra a onda de inflação cada vez maior na zona euro, onde o valor recorde de 9,9% foi atingido em Setembro.

Segundo o comunicado de imprensa do Banco Central “o conselho do BCE tomou a decisão de aumentar ainda mais as taxas de juro para garantir um retorno oportuno da inflação à meta de médio prazo de 2%, esta decisão alinhará a futura trajetória da taxa de juro com o desenvolvimento da inflação e as perspetivas económicas “.

Inflação “muito alta”

A inflação é a medida ao longo de um período de tempo, muitas vezes em comparação com os preços do ano anterior. A inflação é também conhecida como custo de vida ou taxa de aumento dos preços. Assim, a inflação reflete a diminuição do poder de compra e, portanto, a depreciação real da moeda.

De acordo com a chefe do BCE, Christine Lagarde, a inflação na zona euro está “muito alta” devido à subida galopante dos preços da energia doméstica, ou seja, gás, eletricidade, o

aumento dos preços dos alimentos, etc. Com a terceira alta consecutiva, Lagarde que conter a demanda económica e as expetativas de inflação anunciando uma normalização da política monetária com o objetivo de conter o consumo e o investimento das famílias e das empresas”. Como consequência o acesso ao crédito é também afetado no futuro. A próxima e última reunião deste ano está marcada para 15 de Dezembro.

Qual o motivo para o aumento da taxa de juros?

O Banco Central Europeu quer combater a inflação desta forma. De forma muito simplificada, consiste em: quando as taxas de juros sobem, os empréstimos ficam mais caros, as empresas investem menos e os consumidores compram menos. Quando as taxas de juros sobem, eles economizam mais, como resultado a demanda cai, o que leva à queda dos preços ou, pelo menos, a um aumento menos acentuado dos mesmos.

Qual é a taxa preferencial?

Mesmo existindo 3 taxas principais: a taxa de refinanciamento principal, a taxa de refinanciamento máxima e a taxa de juros de depósito, para simplificar, fala-se apenas de taxa de juros principal e geralmente significa a taxa de refinanciamento principal. Ela determina a taxa na qual os bancos podem adquirir dinheiro emprestado do banco central.

Com a sua política de taxas de juros, o BCE deve buscar principalmente a estabilidade do nível dos preços. No entanto, uma vez que os preços numa economia de mercado se basearem na oferta e na procura e não são fixadas por uma autoridade estatal, o BCE só pode influenciar indiretamente a oferta e a procura, portanto, a evolução dos preços através das taxas de juros.

Empréstimos cada vez mais elevados

Desde o início do verão, o BCE decidiu adotar uma política monetária menos acomodatícia fechando claramente as comportas dos créditos, que estão abertas há vários anos, principalmente, desde a crise pandémica.

O aumento da taxa de juros impulsionou inevitavelmente ainda mais os custos dos empréstimos variáveis e dos novos empréstimos a serem concedidos. O valor da prestação mensal de financiamento imobiliário depende, em grande medida, do nível da taxa de juro. Não são só as pessoas que querem comprar casa ou um apartamento que ficam afetadas por este aumento, clientes que necessitam de ver os seus empréstimos (já contratados) reavaliados, clientes que precisem de financiamento ou de acompanhamento após o término da taxa de juro fixa também percebem os efeitos na taxa mensal do financiamento imobiliário.

Consequência para os mutuários

O aumento das principais taxas de juro também tem um impacto sobre os mutuários, aqui, os titulares de um empréstimo a taxa variável sentem as consequências correspondentes. Em dezembro de 2021, as principais condições para taxas de juros variáveis ainda eram de 0.25%, no mesmo período deste ano já são cobrados 2%

Se deseja fazer um empréstimo agora, deve refletir bem acerca da sua situação financeira e perspetivar os futuros encargos que este acarreta, ou então esperar condições significativamente melhores.