• 10 de Dezembro, 2022

Ser vítima de uma burla ou fraude, como queiramos chamar, pode ser uma situação devastadora, tanto financeiramente como emocionalmente. As fraudes estão em constante mutação como um vírus resistente, estas apresentam-se cada vez desenvolvidas e, principalmente credíveis para quem não está atento aos pequenos detalhes de um crédito.

Como identificar as atividades fraudulentas?

Embora o sistema fraudulento dos créditos seja bastante desenvolvido, existem formas de detetar e o seu funcionamento e decifrar o verdadeiro do falso.

Estes são apenas alguns dosmaiores sinais de alerta de vigarice com os créditos:

Pesquisar na internet – com o evoluir da tecnologia nos tempos que correm, o ser humano está cada vez mais dependente desta e, normalmente, a primeira coisa que faz (ou devia fazer) em caso de desconfiança é pesquisar na internet pelo nome da empresa que lhe está a propor um crédito de modo a perceber se ela existe e se tem condições para operar legalmente. Existem alguns truques que pode utilizar no google que o podem ajudar no processo de identificação do intermediário; 1 deles é colocar o nome da empresa (no motor de busca) + burla ou fraude, o algoritmo irá cruzar dados e apresentar alguns resultados no caso desse ser fraudulento. Se estiver com dúvidas, o aconselhável é fazer sempre uma pesquisa aprofundada antes de negociar com uma empresa e submeter um pedido de crédito.

Não encontra feedback positivo – caso se verifique uma ausência de referências positivas ou testemunhos pouco satisfatórios sobre essa empresa na imprensa ou na web, pode já ter motivos para desconfiar de qualquer proposta.

Ausência ou inexistência de marketing nas redes sociais – só por aqui pode já verificar um sinal de alarme, atualmente as redes sociais são uma ferramenta poderosíssima na divulgação de qualquer produto de uma empresa, pois um produto deve estar onde o cliente está. Se uma empresa não está ligada a uma rede social, é de desconfiar, existem motivos para pensar que receiam ou esconde algo.

Empréstimos oferecidos em condições muito vantajosas – os valores variam de poucos euros a várias centenas de milhares, as taxas de juro são geralmente muito baixas e constantes, independentemente do valor emprestado, os valores são particularmente longos. Estas condições muito atrativas são por vezes apresentadas como “ofertas excecionais”, limitadas no tempo, de modo a incentivar e de alguma forma pressionar o
cliente a subscrever a proposta rapidamente.

Créditos aprovados em tempo recorde – os burlões prometem obter o crédito sem demoras, por vezes, nem uma hora demoram, apresentando disponibilidade de fundos entre 24 a 48h após a simulação. O truque aqui é saber diferenciar as funções de cada instituição, nenhuma consultora tem o poder de aprovar um crédito, somente as instituições bancárias o podem fazer.

Processo sem burocracias – se a concessão do seu crédito não está sujeita a qualquer tipo de recurso, se não existe uma avaliação dos seus documentos (obrigatório em qualquer tipo de crédito), nem constituição de garantia (por vezes necessária em certos processos), ou seja, se não lhe pedem nada e prometem um processo rápido e sem papelada, existe aí um
motivo de alerta que deve considerar.

Primeiro pagamento solicitado rapidamente – para cobrir supostos custos (custos de inscrição, autenticação, seguro, administrativos, legalização, entre outros.) é solicitado um pagamento, muitas vezes através de transferência bancária internacional. Uma vez que o dinheiro tenha sido recebido, a vítima não consegue ter mais notícia ou contacto com o
intermediário ou então, tem de pagar o dinheiro novamente sob um novo pretexto (custos diversos, desbloqueio de verbas, etc.) sem grandes resultados. Dentro disto tudo deve tomar muita atenção com o roubo de identidade, pois certas supostas consultoras ou empresas, para dar mais credibilidade ás propostas de crédito, utilizam endereços de e-mail ou websites com nomes fictícios ou mesmo de empresas reais, fazendo-se passar por estas.


Tipos de fraude/burlas mais conhecidas

Independentemente dos meios de comunicação que utilizar, os burlões conseguem ser persuasivos, principalmente, muito convincentes. Esteja preparado para reconhecer as suas táticas persuasivas.

Fraudes online

Uma forma bastante utilizada no meio informático é induzi-lo a inscrever-se em algo que não entenda. Mais tarde, poderá receber uma fatura inesperada na sua caixa de entrada. Se lhe forem solicitadas informações do seu cartão de crédito tenha muito cuidado. Outros métodos utilizados incluem:Sites com muita propaganda e pouca informação útil;

Detalhes de contactos difíceis de encontrar ou apenas um código postal;

Uma oferta que parece demasiado boa para ser verdade, como é o caso de produtos caros a um preço muito inferior.

Por email
Emails fraudulentos incluem: Cumprimentos gerais como: “Estimado cliente” em vez do nome do cliente;

Solicitação de atualização de informações pessoais ou financeiras por meio de canais inseguros;

Links de páginas na web falsas, parecidas com o site real da organização que o burlão se faz passar.

Por telefone Pode receber uma chamada e:

Ser informado que ganhou um prémio ou uma viagem. Na hora que reclamar o prémio, é informado que só tem acesso ao prémio caso adquira um produto da empresa que lhe telefonou, caso contrário, afinal não tem direito ao prémio;

Ouvir novidades sobre um novo produto acabado de sair no mercado e
posteriormente ser solicitado que investa nele;

Pedir que forneça informação ou que faça uma transferência de dinheiro sob um falso pretexto.

Por mensagem de texto
As mensagens de texto geralmente parecem oficiais, no entanto, existe um pormenor importante que é o facto de as organizações reais, que eles supostamente representam, nunca enviam mensagens de texto para obter as suas informações pessoais ou financeiras.

Esteja atento ás mensagens que recebe no seu dispositiva o móvel:

Levantamento de encomendas que estão presas no serviço alfandegário;

Em relação a reembolsos de serviços públicos;

Sobre ofertas de emprego;

Restituições de impostos;

Oferecendo um “part-time” para se tornar num cliente mistério ou preencher;

questionários em troca de dinheiro;

Casa
Fraudes comuns de porta em porta incluem:

Instalação imediata de um produto (alarmes, fechaduras eletrónicas, campainhas,
etc.);

Fazer-se passar como voluntário de uma instituição de caridade pedindo que ajude a instituição com pequenas contribuições;

Falsas oportunidades de investimento;

Por carta
Embora vivamos numa era um pouco mais digital, as cartas ainda continuam a ser um meio de comunicação bastante utilizado na transmissão de informação. Certos esquemas ilegais incluem cartas onde:

Lhe oferecem uma oportunidade investimento;

Recebe faturas vencidas falsas, solicitando o pagamento em atraso de um serviço que nunca usou ou fez intenção de usar.

Como se proteger destes golpes fraudulentos?

Muito importante, nunca forneça informação pessoal ou outros dados a entidades que não conhece ou que entrem em contacto consigo pela internet ou mail;

Não faça nenhum investimento, não assine nenhum documento ou compre qualquer produto de que não tenha conhecimento;

Pense com calma e clareza antes de avançar com qualquer processo, analise criticamente sobre o que está a ser oferecido e reconheça promessas irreais;

Se tiver dúvidas, não perde nada em procurar o conselho de um profissional financeiro, de modo a monitorizar os seus investimentos de forma eficaz;

Nunca instale software de compartilhamento em conjunto com estranhos;

Não atenda chamadas telefónicas não solicitadas de números anónimos ou números que não identificou formalmente;

Recolha a maior quantidade de informação possível acerca da organização ou intermediário que lhe oferece um empréstimo (NIF, sede, morada, CAE, seguro de responsabilidade civil, etc.);

Verifique se a empresa está autorizada a oferecer crédito em Portugal;

Se suspeitar ou confirmar alguma atividade ilegal, não tenha medo de denunciar fraudes ou abusos de investimentos ao Banco de Portugal.
Como devo proceder em caso de burla?
Caso tenha sido vítima de burla, deve apresentar uma queixa, o mais rápido possível, para isso, indicamos aqui várias opções onde pode reportar esta infeliz situação, entre elas:

Procuradoria Geral da Républica (PGR);

Polícia Judiciária (PJ) – consoante a informação que providenciou à empresa de crédito, deve inicialmente contactar o seu banco e posteriormente denunciar o caso à Unidade Nacional de Combate à Corrupção, da Polícia Judiciária.

Se no seu caso se tratar de uma fraude internacional, fique sabendo que também existe um departamento que atua a nível mundial, o IFCC (Internet Fraud Complaint Center). Este departamento conta com o apoio da polícia e outras entidades. Pode também reportar o caso via online em:

Portal da queixa;

Fraude.pt;

Deco proteste;

Queixas.net.


Mesmo que não tenha sido burlado, mas tenha sido alvo de tentativa, é desejável que reporte ás autoridades competentes, ao fazer isso, pode evitar outras tentativas de burlas, poupando assim inúmeras famílias ao sofrimento de perdas financeiras no futuro.